Blog Clinipampa

Alergia ou Intolerância Alimentar? Uma especialização para compreensão

Notícias - 15 de Dezembro de 2017

Você é alérgico a proteína do leite, ovo, soja, oleaginosas e frutos do mar ou você é intolerante à lactose, glúten e sacarose?

Para constatar a diferença existente entre intolerância e alergia alimentar, a Nutricionista Angela Nicoloso Knorr especializou-se no curso Imersão em Alergias e Intolerâncias Alimentares, que aconteceu no início do mês em Porto Alegre. Assim, Bagé e região passa a contar com os serviços nutricionais especializados em alergias e intolerâncias alimentares.

O curso foi ministrado pela nutricionista Renata Pinotti, de São José do Rio Preto (SP), que estuda e trabalha com alergias alimentares a 15 anos.

A experiência possibilitou um mergulho nas causas do aumento de ocorrência das alergias em bebês e crianças, o que ocorre concomitante aos processos de industrialização (maior consumo de alimentos processados e ultra processados, consumo dos alimentos transgênicos) suas formas de prevenção e tratamento. O aleitamento materno exclusivo até o 6º mês – com a mãe realizando a dieta de restrição quando necessário – é o mais indicado segundo estudos, possibilitando tratamento da alergia e a melhor nutrição possível deste bebê.

Segundo Angela Knorr, oportunizou-se uma reflexão profunda em todos os aspectos, além do fisiológico. “O por quê do corpo não reconhecer a proteína e agir contra? Alergia. Mas, principalmente, como fazer um manejo nutricional possível, desde a retirada do alérgeno, até sua reintrodução gradual, comprovando sua tolerância (cura)”, explica.

Segundo a ministrante, a maior parte dos estudos apontam que as crianças atingem esta tolerância até os 2 anos de idade, podendo haver exceções. Angela ressalta ainda o conceito de “Alegria Alimentar” trabalhado no curso. “Este conceito nos demonstra que bebês e crianças alérgicas muitas vezes possuem uma alimentação mais saudável, do que crianças que não possuem restrições e que hoje, infelizmente consomem habitualmente alimentos que não agregam valor nutritivo e são totalmente dispensáveis para esta faixa etária”, aponta.

Galeria de Imagens


Outros posts recentes